domingo, 29 de março de 2009

Dimensões Espirituais do Centro Espírita - Partes I e II

No último sábado de março de 2009, dia 28, a Casa da Caridade realizou o primeiro Vídeo Debate do ano, exibindo a palestra de Suely Caldas Schubert, intitulada "Dimensões Espirituais do Centro Espírita". Na oportunidade, mais de de 30 trabalhadores participaram do evento e aprenderam bastante com o conteúdo desenvolvido pela expositora, que abordou no filme os aspectos mais importantes da dimensão espiritual dos trabalhos desenvolvidos em uma casa espírita.
Para relembrar um pouco do conteúdo apresentado, iremos disponibilizar nesta semana um resumo, divido em 8 partes. Aproveitem para uma leitura objetiva, postem comentários no blog e façam perguntas.



Introdução

Costumamos freqüentar o Centro Espírita durante anos sem atentarmos para aspectos mais profundos da sua importância, pois o vemos apenas como o local onde vamos buscar ajuda, consolo, amparo e esclarecimento, e onde se tem um bom ambiente espiritual, apropriado para as reuniões espíritas. Não nos damos conta de toda a complexa estrutura espiritual que mantém uma sede de atividades espíritas, no âmbito dos encarnados, para que ela possa atuar nos dois planos da vida.
Entretanto, há alguns anos, estamos sendo conscientizados, principalmente através de mensagens dos Instrutores Espirituais, do que é, na realidade, o Centro Espírita e a premente necessidade que temos de adequá-lo e preservá-lo de acordo com as diretrizes da Codificação, bem como dos cuidados com que a Espiritualidade Maior cerca e dispensa, ao longo do tempo, aos núcleos espíritas que estão incluídos entre os que são merecedores dessas providências, pelo trabalho sério, nobre e edificante que realizam.
O Espírito Manoel Philomeno de Miranda relata no capítulo 21 do livro Tramas do Destino, como são os planejamentos espirituais de um Centro Espírita, inclusive relatando os compromissos assumidos pela equipe espiritual que trabalharia diretamente com os encarnados, junto àquele que seria o seu patrono, no caso o Espírito Francisco Xavier, que foi abnegado trabalhador do Cristianismo no século XVI. 1
Iremos enfocar aqui alguns desses planejamentos do plano extrafísico, e como são efetuados na prática pelos Benfeitores Espirituais, fazendo uma reflexão em torno da participação dos encarnados, enquanto tarefeiros da seara espírita.

Alicerces espirituais
O Centro Espírita é muito mais do que a casa física que lhe serve de sede. Transcende às paredes, aos muros que o circundam e ao teto que o cobre. Em verdade, o Centro Espírita é um complexo espiritual em que se labora nos dois planos da vida, a física e a extrafísica, e com as duas humanidades, a dos encarnados e a dos Espíritos desencarnados.
Em razão disso, as providências e cuidados da Espiritualidade Maior são imensos quanto ao planejamento e a organização de uma instituição espírita.
Já há muito sabemos que as planificações espirituais antecedem as dos encarnados, por isso se diz, comumente, quando se pensa e projeta uma obra espírita, que esta já estava edificada na Espiritualidade. O que é real e verdadeiro.
Os alicerces espirituais, portanto, são “levantados” bem antes, servindo de modelo para a obra que se pretende edificar no plano terreno.
O Centro Espírita não é a casa onde ele se abriga, mas, sim, o labor que ali se desenvolve, o ambiente que se cultiva e preserva, a organização intemporal que o orienta e assessora, os objetivos e finalidades que o norteiam, o ideal e o sentimento com que o conduzem. Por isso prescinde a obra espírita do luxo e do supérfluo para atender à simplicidade e ao conforto que a tornem acolhedora.
As suas bases, os seus alicerces espirituais assim argamassados farão com que a obra se erga firme na Terra e permaneça de pé vencendo as tormentas e vicissitudes humanas. É “a casa edificada sobre a rocha”, de que nos fala Jesus, capaz de resistir através dos tempos. Mas que só se materializará se a equipe encarnada colocar dia a dia os tijolos do amor e o cimento da perseverança; se os labores ali efetuados levarem o sinete da caridade e do desinteresse pessoal, transformando-se assim em templo e lar, hospital e escola.
Reafirmamos: para isto não há necessidade de que a obra seja luxuosa ou grandiosa; ela poderá ser uma casinha simples, despojada, de acordo com a realidade local, e ter uma atmosfera espiritual resplandecente, resultante do trabalho que ali se realiza, pois no dizer de Léon Denis “no mais miserável tugúrio há frestas para Deus e para o Infinito”.

Autora: Suely Caldas Schubert

4 comentários:

  1. Olá amigos! Tanto o filme, quando o livro "Dimensões Espirituais do Centro Espírita" são valiosos instrumentos para estudo. Eu gostei muito de ter participado do Seminário, e apesar de ter lido o livro, o vídeo acaba nos aproximando mais das reflexões da autora. Agora é importante colocarmos em prática o que ela recomenda em sua obra. Quanto ao tema que está em nosso blog, tenho certeza que a nossa instituição teve uma concepção espiritual muito bem estudada. Nossos dirigentes espirituais sabem do nosso esforço e nos estimulam sempre ao estudo, ao trabalho, à perseverança, à tolerância, ao perdão, ao amor, enfim, à prática da verdadeira caridade. Se muitas vezes não os percebemos ou os sentimos, não é por culpa deles. É que, na realiade, em muitas ocasiões, estamos mais preocupados com as coisas da terra, esquecendo as coisas do céu, conforme alertou Jesus.
    No mais, vamos estudar!

    ResponderExcluir
  2. Oi gente! Um amigo me perguntou, depois que assistiu a filme, se temos como saber o nome dos dirigentes espirituais de cada trabalho e da própria instituição. Eu respondi a ele que isso é possível, porém não é necessário. O mais importante não é saber quem é, mas sentir o bem que estão nos fazendo. Nomes de vultos do espiritismo ou da humanidade podem até dirigir os nossos trabalhos, mas devemos mesmo é acreditar que o Mestre Jesus está no comando maior. Não importa se o nome é "Zé, Zeca ou José", mas que qualquer um deles esteja sempre com a mão amiga a nos ajudar. Sabemos, contudo, que um dos dirigentes da Casa da Caridade se chama Estênio. Outros companheiros como irmãos André, José, Josefher, Aleixo também se identificaram e ajudam em nossas atividades.

    ResponderExcluir
  3. Fernando Antonio de Barros Lins30 de março de 2009 16:06

    O Video-debate, cujo tema foi "Dimensões Espirituais do Centro Espírita" serviu e sempre servirá para que todos nós tenhamos a compreensão de que os obreiros da espiritualidade maior sempre estão comprometidos com a Causa Cristã e, nós encarnados também precisamos compreender que os primeiros a serem ajudados somos nós, mediante o trabalho aplicado com amor incondicional ao qual o próprio Mestre Jesus Cristo sempre fez ,e continuará fazendo por todos nós.

    ResponderExcluir
  4. É isso mesmo Fernando! Devemos exercitar a consciência de que a responsabilidade pela nossa melhoria ou não é nossa. Façamos sempre como o Fernando: acessemos o blog e deixemos nossos comentários.

    Marcos Alencar

    ResponderExcluir

Participe com seu comentário